O sítio do INA utiliza cookies para melhorar o seu desempenho e a sua utilização. Os cookies utilizados para as ações essenciais do sítio encontram-se definidas. Consulte a política de privacidade.

Eu aceito cookies.

  • Última actualização: 17 outubro 2017

PT | ENG

Missão, Visão, Valores e Atribuições

A Direção-Geral da Qualificação dos Trabalhadores em Funções Públicas, abreviadamente designada por INA, é um serviço central da administração direta do Estado, integrada no Ministério das Finanças.

Missão

O INA tem por missão promover o desenvolvimento, a qualificação e a mobilidade dos trabalhadores em funções públicas, através da gestão de competências e da avaliação de necessidades de pessoal face à missão, objetivos e atividades dos serviços públicos e gestão de carreiras, visando a integração dos processos de desenvolvimento organizacional e constituindo-se como referência nacional na área da formação, para os organismos nacionais ou estrangeiros que prossigam fins análogos.

Visão

Ser reconhecido como um serviço de referência na qualificação e gestão integrada dos recursos humanos da Administração Pública, assim como no desenvolvimento e implementação de boas práticas organizacionais.

Valores

Compromisso

… com o serviço público no cumprimento dos princípios de legalidade, transparência e isenção;
… com todos os trabalhadores das Administrações Públicas na melhoria contínua das suas competências;
… com os cidadãos na sua relação com a Administração Pública.

Conhecimento

… porque valorizamos o saber, o saber-fazer e o saber-estar;
… porque promovemos o encontro e partilha de saberes, ideias e experiências;
… porque aprendemos e ensinamos a aprender.

Confiança

… na postura integra e ética em todas as áreas de intervenção;
… na permanente disponibilidade e sentido de colaboração;
… na experiência e competências adquiridas em mais de trinta anos de existência.

Qualidade

… pelo rigor dos processos e métodos de trabalho adotados;
… pelo compromisso com os resultados;
… pela melhoria contínua da organização Inovação;
… porque procuramos fazer melhor;
… porque procuramos fazer diferente;
… porque procuramos ajudar a crescer.

Atribuições

1. No âmbito das políticas de desenvolvimento de recursos humanos e de recrutamento:

a. Coordenar a implementação das políticas de desenvolvimento de recursos humano numa ótica de coerência, integração e otimização;
b. Definir, implementar e controlar as políticas de recrutamento interno e externo na Administração Pública (AP).

2. No âmbito da qualificação e gestão das competências:

a. Assegurar o planeamento e gestão da formação através do diagnóstico de necessidades de RH face à missão, objetivos, atividades e atribuições dos serviços;
b. Definir perfis de formação transversais que promovam e aprofundem a diversidade de ações e os ciclos de formação;
c. Assegurar a conceção curricular de ações de formação alinhadas com as prioridades de gestão dos serviços.

3. No âmbito da gestão da mobilidade:

a. Exercer as funções de entidade gestora da mobilidade;
b. Gerir os instrumentos e processos de mobilidade e de orientação de carreira, realizando estudos com vista à agilização da operacionalização destes processos;
c. Promover ações de formação para reforçar as capacidades profissionais dos trabalhadores em situação de mobilidade especial, articulando as suas expectativas com as necessidades dos serviços;
d. Estabelecer referenciais de competências reconhecidos visando a qualificação, especialização e requalificação profissional essenciais à mobilidade de RH.

4. No âmbito da cooperação internacional:

a. Assegurar a cooperação técnica internacional com instituições congéneres nos domínios da valorização dos RH das AP;
b. Assegurar a coordenação interdepartamental das ações de cooperação nacional e internacional desenvolvidas pelo INA;
c. Desenvolver, coordenar ou participar em ações de formação, consultoria e assistência técnica em modelos de cooperação bilateral ou multilateral.

5. No âmbito do desenvolvimento organizacional:

a. Promover a melhoria do desempenho dos serviços e órgãos através da introdução de novos métodos de gestão e novas metodologias de trabalho;
b. Colaborar nos projetos de formação e assistência técnica aos serviços públicos nas vertentes de organização, metodologias e sistemas de informação;
c. Acompanhar as entidades que desenvolvem formação profissional para a Administração Pública numa ótica de modernização administrativa.


Legislação:

Decreto-Lei nº 48/2012, de 29 de fevereiro – Lei orgânica
Portaria n.º 113/2012, de 27 de abril – Estrutura nuclear
Despacho n.º 8005/2012, de 12 de junho – Estrutura flexível